NÃO COMPENSE AS HORAS DA GREVE - BANCOS NÃO SÃO ENTIDADES FILANTRÓPICAS

Não vamos trabalhar de graça para PAGAR OS DIAS DA GREVE. OS BANCOS NÃO SÃO ORGANIZAÇÕES FILANTRÓPICAS, que necessitem do nosso trabalho voluntário. Quem achar que deve repor as horas da greve, pelo menos precisa saber que ESTARÁ TRABALHANDO DE GRAÇA para o setor mais rico da economia capitalista. A COMPENSAÇÃO DAS HORAS DA GREVE NÃO É OBRIGATÓRIA!
Greve é um direito, não é um delito!



10 outubro, 2011

Esclarecimentos sobre a greve em Mogi das Cruzes

Por Mauro Rodrigues de Aguiar

Nesta greve, sem reuniões com os bancários, que deveriam ser convocadas pelo sindicato e também sem informações atualizadas no site da entidade, é comum os bancários em greve ficarem apreensivos com as informações distorcidas e tendenciosas veiculadas pela "imprensa empresa" e com os boatos que se espalham no seio do povo, que nem sempre traduzem a realidade.

Para esclarecer aos colegas que estejam carentes de informações a respeito de como está a greve dos bancários em Mogi das Cruzes e região, segue os fatos que tem ocorrido em nossa cidade que geraram boatos de que a greve por aqui teria acabado.

Primeiramente, é preciso dizer que A GREVE É NACIONAL e, em não havendo proposta por parte dos bancos, nas regiões onde tem ocorrido Assembléias periódicas, nenhuma até agora deliberou pelo fim do movimento grevista, portanto, A GREVE CONTINUA NACIONALMENTE e tem mantido uma força histórica.

Em relação à GREVE em Mogi das Cruzes, o fato de haver interditos proibitórios concedidos por juízes arcaicos da nossa cidade ao Bradesco, HSBC, Itaú/Unibanco e Santander/Real, fêz com que estes bancos abrissem normalmente em plena greve no decorrer da semana passada, gerando o boato de que a "greve em Mogi teria acabado", o que não corresponde à realidade, pois, a GREVE permanece fortíssima em Mogi na Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e Banco Mercantil do Brasil, acompanhando o cenário nacional. 

Vale salientar que os interditos proibitórios são descabidos em caso de greve, pois este instrumento judicial só é aplicável para casos de ameaça de ocupação de propriedade alheia, o que não é o caso da greve dos bancários e seu efeito punitivo é somente sobre o sindicato, em caso de descumprimento, não impedindo que os bancários voluntáriamente façam a greve. Contudo, não se tem notícia de que o sindicato tenha acionado seu departamento jurídico para cassar os interditos e nem usou seu jornal para denunciar os absurdos dos interditos e os gerentes que assediam moralmente os bancários para abandonarem a greve, aproveitando-se dos interditos.

Seria fundamental o sindicato informar aos bancários que o interdito proibitório não impede o DIREITO DE GREVE dos trabalhadores que é garantido pela Constituição Brasileira e regulamentada pela LEI Nº 7.783, DE 28 DE JUNHO DE 1989. A falta de informações essenciais por parte dos sindicatos, torna os trabalhadores vulneráveis e alvos fáceis para o assédio moral dos seus superiores hierárquicos, acaba por facilitar aos gerentes inescrupulosos pressionarem moralmente seus subordinados a voltarem ao trabalho, mesmo sem que nenhuma Assembléia tenha deliberado dessa forma.

Por fim e após dadas estas explicações, quero dizer que estou a disposição dos colegas para qualquer informação adicional que queiram ter para sentirem-se confiantes e firmes na luta. Deixem suas indagações clicando no aplicativo "comentários" abaixo desta postagem.

A GREVE CONTINUA E A CULPA É DOS BANCOS E DO GOVERNO, POR ISSO VAMOS ATÉ O FIM, PELO MENOS PARA NÃO TERMOS MOTIVOS PARA NOS ENVERGONHAR DE NÃO TERMOS LUTADO ATÉ A ÚLTIMA POSSIBILIDADE DE VITÓRIA!

Nenhum comentário: